segunda-feira, 5 de julho de 2010

Ferramentas de trabalho


Tenho um problema sério para lidar com teclados. Há anos trabalho direto com PCs ou notebooks. Isso, desde 1995, acho. Antes, mexia muito com arte, usava lápis, desenhava, rabiscava... Mas desde que comecei a dedicar-me ao jornalismo, dá-lhe teclado.

Desta forma, quando vou escrever meus livros e contos, já estou cansado da posição da escrita em computadores, geralmente no final de uma jornada de trabalho, e invariavelmente já estou cansado de teclados (é preciso tomar cuidado com LER/DORT). Em 2002 eu comecei a experimentar o reconhecimento de escrita e gostei. Mas não é fácil encontrar um equipamento ideal.

Para mim, a escrita a mão é a forma mais orgânica de transferir da mente para um outro substrato, as nossas ideias. O primeiro método de HWR (handwriting recognition) que usei foi o GRAFITTI de um Palm Vx. Depois experimentei o Newton, com um modelo MP130. Migrei para o MP2000 e depois um MP2100. É perfeito. O problema é tirar os textos de dentro deles.

Outra forma de HWR é usar um equipamento windows CE 3.0 (ou HPC2000) com o programa CALLIGRAPHER 6.6. É perfeito, mas os aparelhos são geralmente antigos, como o Jornada 720/728, Pencentra 200 ou NetPad. O HWR dos tablets Nokia N800 e N810, infelizmente, são uma bomba, porque os aparelhos são ótimos.


Hoje estou usando um HP-COMPAQ TC1000 com o programa PenOffice, da mesma empresa que fez o Calligrapher e estou muito satisfeito.
Com esses aparelhos é possível ficar mais integrado com as pessoas ao seu redor, escrever em qualquer lugar, escrever em posições mais confortáveis (até deitado, com as costas esticadas!).
Isso é, sem dúvidas, muito saudável.

Ficar numa escrivaninha o tempo todo é um inferno. E escrever a mão no papel para depois digitar é uma perda de tempo.
Uma outra vantagem é poder usar programas que permitem que a gente faça anotações como no papel, rabiscos, gráficos, esquemas. É ótimo para pesquisa, para desenhar o fluxo da narrativa, os eixos, as idas e vindas.
Ou seja, uma ótima ferramenta para quem escreve romances com vários eixos narrativos, tempos diferentes e etc.