terça-feira, 30 de novembro de 2010

Pesquisas para escrever romance de espionagem



Para escrever meus dois livros de espionagem, “Souvenir Iraquiano” e “Fronteira”, tive que fazer pesquisas sobre temas militares e de segurança. Em Souvenir busquei informações sobre a atuação do Brasil no programa nuclear do ditador Saddam Hussein, no Iraque, nos anos 80 do século passado. Precisei também fazer uma reconstituição da Coalizão, a operação militar que foi empreendida pelos EUA e os países aliados para a retomada do Kuwait, na primeira Guerra do Golfo, em 1991. Fiz uma série de entrevistas com profissionais brasileiros que trabalharam no Iraque nos anos 80, para saber como era a vida lá e o que esperavam os brasileiros que lá estiveram.
Para escrever Fronteira pesquisei um evento que envolveu o Serviço Nacional de Informação (SNI) em uma operação para prospectar urânio na Somália, para enviar ao Iraque. Tive que pesquisar também as relações de espionagem no norte da África, a presença da CIA, do Mossad (o serviço secreto israelense) e a KGB.

Para meu próximo romance, que tem o título provisório de “Neutralidade”, estou pesquisando os eventos da Guerra das Malvinas, as relações secretas que ocorreram durante a guerra, os armamentos envolvidos e, principalmente, técnicas de guerra submarina. Recebi apoio do Ministério da Marinha, que colocou em contato comigo um comandante de submarino com quem conversei durante meses, e com quem ainda mantenho contato.
Acredito que a pesquisa é fundamental para fundamentar um romance de espionagem, para poder criar um mínimo de plausibilidade. Afinal de contas, o ponto forte do gênero é a ligação com a realidade e a possibilidade de um evento narrado no livro ter realmente acontecido.
Para isso, estou procurando me cercar de todas as fundamentações políticas, militares, físicas e lógicas para basear uma teoria da conspiração muito interessante que está no cerne de “Neutralidade”.
Quem tiver interesse em conhecer meus romances “Souvenir Iraquiano” e “Fronteira”, basta dar um toque.

Conta de celular cara

O Brasil é um dos países que tem o mais caro serviço de telefonia celular do mundo.
O engraçado é que temos milhões de celulares, o consumo cresce a cada dia e mesmo assim as empresas de telefonia celular não parecem entender que vale a pena faturar mais por quantidade do que pelo preço. Outra coisa que cismam em continuar fazendo é cobrar uma fortuna por aparelhos.
Pagamos conta de celular mais caro do que nos EUA, isso seria óbvio. Mas pagar conta mais caro que na China e na Índia?
Outra coisa interessante é que nos empurraram a idéia de que o sistam GSM é o mais avançado. Mas é mesmo? Conferindo lançamento do primeiro celular com touchscreen e flip (acho que não existia outro) vi que foi lançado em CDMA...

Tem que pegar a grana dos caras

De acordo com o assessor-chefe das Nações Unidas para temas de segurança, Edgardo Buscaglia, Professor de Direito do Instituto Tecnológico Autônomo do México (ITAM), é preciso dar um golpe no bolso dos narcotraficantes brasileiros (conforme já citei aqui neste blog nos últimos dias). Segundo Buscaglia, os criminosos tem negócios em mais de 10 países, muitos deles até formalizados:

"Os chefes do tráfico no Brasil têm negócios - até mesmo legalizados - em doze países diferentes, revela o assessor-chefe das Nações Unidas para temas de segurança, Edgardo Buscaglia. Professor de Direito do Instituto Tecnológico Autônomo do México (ITAM), ele analisa em entrevista a Terra Magazine o quadro atual do Rio de Janeiro e afirma que, além da atuação das polícias e Exército, será preciso combater as redes financeiras que sustentam o crime organizado.

- Os traficantes brasileiros estão presentes na economia formal de vários países. Você pode vê-los na Argentina, na Colômbia... Os bens de familiares de traficantes têm que ser confiscados. Isso não é feito de forma suficiente pelo governo brasileiro. Essa rede financeira é onde está o poder dos traficantes presos.

Buscaglia estuda o funcionamento de diferentes organizações criminosas, especialmente os cartéis de drogas do México. Ele diferencia o tráfico carioca do mexicano, mas aponta ligações entre os grupos dos dois países.

- As organizações criminosas brasileiras não são as maiores do mundo, são ainda limitadas se comparadas às mexicanas ou às chinesas. Mas elas estão crescendo e o motivo pelo qual elas estão crescendo é que seus bens não têm sido suficientemente confiscados." (Fonte: Terra Magazine)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Livros

Só para lembrar, sou autor dos romances "Souvenir Iraquiano" e "Fronteira".
São romances de espionagem baseados em fatos reais que envolvem ações e personagens brasileiros.
Sobre os livros, confira os posts abaixo:







Comentários sobre os comentários

Publico aqui dois comentários que foram feitos no post abaixo.

De cara eu digo que concordo com ambos os comentários, mas acho que é preciso fazer alguns adendos.

Em primeiro lugar, é óbvio que as pessoas sofrem com a varredura das casas. Isso é inevitável. As residências dessas pessoas precisam ser vistoriadas, tem gente sendo mantida como refém. Seria impossível vasculhar o Complexo do Alemão sem entrar nas casas. Alguém tem uma solução diferente para o problema?

O povo nunca acariciou o governo e agora vê motivos para isso. Ainda não é o suficiente, mas é um começo. Tardio, mas precisava começar em algum ponto. Não temos ainda máquina do tempo para voltar 30 anos e corrigir erros.

Depende agora do povo fazer com que o Estado seja uma ferramenta sua, e não apenas das elites.

A guerra contra o narcotráfico vai muito mais fundo mesmo. Já comentei aqui algumas idéias de caminhos a serem tomados para chegar aos barões do tráfico, independentemente de onde quer que estejam, no Rio, em São Paulo, Florianópolis ou Brasília.

A falta de treinamento dos policiais é evidente. O tempo de formação é insuficiente, os salários idem.

O momento da ação, como já disse, foi esse. Não tem como voltar atrás no tempo e ninguém gostaria que fosse deixado para depois. O motivo é a Copa? Foram os ônibus e carros incendiados? A morte do arquiduque Ferdinando? Sinceramente, tanto faz, contanto que aconteça, que siga em frente. Não interessa mais, nesse momento, a cor do pato. O povo brasileiro precisa dos ovos. O motivo não desqualificará a ação se ela for bem engendrada e surtir os efeitos necessários.

Mas não caberá apenas ao Estado fazer com que isso tudo funcione.

Eu não moro em favela e sei que há muitos criminosos de terno e gravata. Criminosos que precisam da bucha de canhão que mora nas favelas. Acontece que ao derrubar uma cabeça, surge outra. Já cortando as “patas” dessa Hidra, ela vai perdendo a força. Quem faz o dinheiro dos barões, dos líderes, são os soldados, os aviões e os consumidores.

Ninguém quer sair matando os “peões” do crime organizado, mas é preciso fazer com que eles se sintam, neste momento, desestimulados pela força, porque agora não há como chamar esse pessoal para escolas. Vejam o que o próprio líder do AfroReggae disse hoje, em entrevista abaixo.

Projetos de ampliação do IDH são fundamentais, mas não serão completamente eficientes. Basta ver que, como vcs mesmos disseram, tem muito criminoso com berço de ouro e que tiveram todas as oportunidades.

A guerra é difícil, amarga e é puro dissabor, mas precisa ser lutada. Tem etapas que a maioria gostaria de pular. Mas precisam ser vivenciadas.

2 comentários:

hansponto disse...

Quanto a posição do Estado com civís, existem denuncias por toda a web afirmando que populares sofrem com a varredura nas casas. O governo deu a 'tapa' e agora está querendo 'alisar'. O povo está acariciando o Estado como se fosse um animal de estimação. E ai onde eu bato na tecla, o estado representa mesmo o povo fazendo o que está fazendo? Seria o estado uma ferramenta do povo ou uma ferramenta que trabalha com o óleo de nossos impostos e gira ao favor dos mais fortes? Sabemos todos que a guerra contra o tráfico vai mais fundo, muito mais. Policiais destreinados, insatisfeitos, grossos, despreparados e um estado que só faz alguma coisa quando o sangue de quem não tem nada a ver com história está no chão.

Bom ou ruim, a atitude do estado foi tardia, isso implica em uma reação barata, com estimulos politicos. Quem tem olhos pra ver, sabe que o que está acontecendo no Rio vai ser colocado na conta da Copa e não do Papa como foi dito em Bope 1. A Mídia modelou tudo o que está acontecendo e ninguem abre os olhos pra ver que a mesma igreja romana comandava os romanos que crucificaram cristo...

29 de novembro de 2010 10:59

Dan Fernandes disse...

O estado falhou, a imprensa falhou, a moral falhou, a justiça falhou, o cidadão falhou...

Só quem mora em uma favela sabe que os 'cidadãos de bem' não são tão inocentes assim, afinal muitos são preconceituosos e arrogantes. Nem tudo se resume economicamente, um pouco de respeito faz alguma diferença. Acho desrespeitoso, por exemplo, uma pessoa que morra na Barra (uma das partes mais luxuosas da cidade) dizer "-Graças a Deus que eu moro na Barra e lá não tem estas coisas!", quando uma pessoa diz isso é equivalente dizer "-Desgraçadas de Deus que essas pessoas moram em tal lugar!".

Medidas imediatas e outras gradativas

Quero esclarecer aqui neste post que estou tratando aqui de açoes policiais que ocorreram no final de semana e que deverao ocorrer. Para mim é óbvio que o Estado deve atuar de forma pertinente em termos de cidadania e de ampliação de nosso IDH. No entanto, essas ações não podem ser confundidas com ações policiais de resultado imediato.
Infelizmente o Estado falhou na distribuição de renda e no IDH, e os resultados estão aí. Logo, uma coisa vem depois da outra, infelizmente, e não o contrário.

Cientista assassinado no Irã

Seria isso o longa braço da CIA e do Mossad?

Cientista nuclear é assassinado no Irã

Explosões deixam mais três pessoas feridas, uma delas é outro físico; televisão acusa Israel

29 de novembro de 2010 | 7h 42

TEERÃ - Um professor universitário e físico nuclear foi morto na explosão de um carro-bomba em Teerã nesta segunda-feira, 29, indicou a o canal iraniano Al-Alam.

Três outras pessoas ficaram feridas em outro atentado semelhante na cidade. A emissora disse que um dos feridos no segundo atentado também era professor de física nuclear.

O cientista morto é Majid Shahriari, da Universidade Shahid Beheshti, informou a agência estatal de notícias iraniana, a Irna. É a segunda morte de um cientista nuclear provocada por um atentado no ano - a primeira ocorreu em janeiro.

Segundo a Irna, homens em motocicletas colocaram bombas nos carros dos cientistas enquanto eles se dirigiam ao trabalho. O canal acusa Israel, principal inimigo do Irã no Oriente Médio, de estar por trás dos atentados.

"Em um ato criminoso de terrorismo, agentes do regime sionista atacaram dois proeminentes professores universitários que estavam a caminho do trabalho", diz uma nota no site da Irna. O professor ferido é Fereydoon Abbasi. As outras duas pessoas feridas são as esposas de cada um dos cientistas.

Segundo o site conservador Mashreghnews, Abbasi é "um dos poucos especialistas que pode separar isótopos" e é membro da Guarda Revolucionária desde a revolução de 1979.

O Irã diz que seu programa nuclear é puramente pacífico, voltado para a produção de energia nuclear, mas a suspeita de que esteja procurando fabricar armas atômicas levou as Nações Unidas, a União Europeia e os Estados Unidos a imporem várias rodadas de sanções contra o país.

Entrevista AfroReggae

'O governador não merecia um banho de sangue', diz líder do Afroreggae

  • R1
  • R2
  • R3
  • R4
  • R5
  • MÉDIA: 1,5

Diretor do grupo Afroreggae, José Junior, falou sobre a negociação com os traficantes do Complexo do Alemão (Foto: Felipe Hanower / Agência O Globo)

RIO - Era 1h30m de sábado, depois da tomada da Vila Cruzeiro pela polícia, quando o coordenador do grupo AfroReggae, José Júnior, de 42 anos, recebeu o telefonema de um dos chefes do Complexo do Alemão, convidando-o para conversar no alto do morro. Não foi fácil para Júnior atender ao chamado de pronto, uma vez que, há 40 dias, descobrira que era a "bola da vez", sentença decretada justamente pelo bandido que lhe fazia o convite. Não subiu o morro de madrugada, mas por volta de 10h, lá estava ele, no coração da comunidade, cercado por 60 traficantes. Segundo Júnior, todos com medo de morrer ou de ir para cadeia. Embora assegure não ter mediado a rendição, o resultado de "suas sugestões", como fez questão de dizer, ajudaram no sucesso da operação: o fim da guerra sem banho de sangue.

( Veja trechos da entrevista )

Você foi o mediador entre o governo do estado e os traficantes para acabar com a guerra no Complexo do Alemão?

JÚNIOR: Não. Não podia ser o interlocutor. Não estava representando o governo, nem os bandidos. Não queria ser porta-voz de ninguém. Fui lá para fazer algumas sugestões. Achei que podia ajudar as pessoas e evitar um banho de sangue. Eles me chamaram para conversar e eu fui lá por conta própria. Até mandei um e-mail para o governador Sérgio Cabral para isentá-lo de qualquer coisa, caso algo acontecesse comigo.

Que tipo de sugestões você fez?

JÚNIOR:Para eles se renderem, porem a mão na cabeça.

Como foi o encontro com os bandidos? Eles estavam dispostos a se render?

JÚNIOR: Chegando lá, o clima tava muito tenso. Vi pessoas muito abaladas, com muito medo de morrer e de ficarem presas. Ouvi bastante. Disse que podia estar presente para dar segurança para eles. Tinha a palavra do Allan Turnowiski (chefe de Polícia Civil) de que ninguém seria humilhado ou seria morto. É o que está acontecendo. Eles diziam que não queriam se entregar, que era difícil, teriam que puxar uma cadeia longa (ficar muito tempo preso). Então eu disse: se não se entregarem, vocês vão morrer. Alguns se emocionaram muito.

Então, teve acordo?

JÚNIOR: Não teve acordo. Sugeri que se entregassem às polícias ou às Forças Armadas, depusessem as armas e não reagissem. Falei que não podiam descer comigo. Não tive pena. Falei que eles haviam buscado isso.

Por que os bandidos da comunidade escreveram numa carta que queriam matá-lo?

JÚNIOR: Porque meu trabalho social à frente do AfroReggae incomodava.

Você ficou preocupado com essa ameaça?

JÚNIOR: Eu tive um sentimento ambíguo. Fiquei chateado, pois eu tinha virado a bola da vez. Mas, ao mesmo tempo, a carta demonstrou o quanto eu incomodava. Tenho certeza que quando o Márcio (dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP) recebesse a carta, em Cantanduvas (Presídio Federal do Paraná), ele ficaria chateado e seria contra qualquer atitude contra mim. Foi uma atitude isolada de dois bandidos. Não era decisão da facção.

Você teve medo de morrer?

JÚNIOR: Tenho 18 anos de AfroReggae e quatro filhos. Aquela carta me incomodou. Mas muitos moradores pediram para eu ir lá, embora integrantes do AfroReggae e policiais amigos meus desaconselhassem.

Algumas pessoas queriam que os bandidos fossem mortos, em vez de serem presos. O que você acha disso?

JÚNIOR: Recebi mais de 9 mil mensagens pela mídia sociais. Cerca de 8.800 a favor da rendição dos bandidos. Mas também cheguei a ouvir policial dizer que se sentiu como um atleta que vai para a Olimpíada e não disputa, só porque não houve banho de sangue.

De quem é o mérito pelo resultado positivo da operação do Alemão, sem baixas dos dois lados?

JÚNIOR: Do governador Sérgio Cabral e da polícia. Digo isso com a maior pureza da minha alma, como costumam dizer as carolas. Até agora, 18h14m (de domingo), a polícia teve um comportamento impecável. Várias pessoas me ligaram do Alemão e elogiaram a postura do Bope e da Core. Até pessoas que não gostam da polícia. Queria ajudar o governador. Ele não merecia um banho de sangue durante o seu governo.

Qual a sua análise geral para o desfecho na guerra contra os bandidos?

JÚNIOR: O próprio bandido está cansado, pois eu nunca tirei tantas pessoas do crime como tiro agora. Pessoas novas e pessoas mais velhas. Tenho orgulho de ter tirado muitos traficantes do crime. No AfroReggae, temos 10 excepcionais mediadores. Todos eles atuaram no crime antes.

Triste ponto de vista

Acho que o Fernando Canzian, como eu disse que aconteceria, estreia a lista de críticas à ação do Rio de Janeiro. Comparo a crítica dele à chuva de protestos contra o Dunga, após o Brasil perder a Copa da África. Não tínhamos obrigação de ganhar, e não foi a primeira vez que o Brasil perdeu uma Copa, mas a intenção era detonar com ele.

Agora, nós vimos uma ação que tinha tudo para resultar num massacre, que não aconteceu. Teve falhas, sim elas existem, mas a polícia não tem a "obrigação" de vencer o crime. Ela "deve" lutar contra o crime. Dependendo da força aplicada, talvez o crime ganhe, como já aconteceu em outros países.

O Estado é forte, mas tem as limitações que todo Estado tem. O Estado não pode lançar mão de medidas que o crime organizado dispõe e usa: não pode assassinar, não pode causar terror, não pode torturar. Se faz, está errado. As limitações são grandes. Logo, não tem a OBRIGAÇÃO, mas sim o dever.


Rio: quem paga a conta?

Os favelados fluminenses que vivem há anos sob o terror de traficantes, milícias e policiais corruptos são os maiores financiadores da operação de "resgate" que o Estado iniciou na semana passada no Rio.

A perversão da carga e do sistema tributário do Brasil faz com que os pobres paguem, proporcionalmente, muitíssimo mais impostos do que os mais ricos.

Em tese, todo mundo come. Mas pobres e ricos pagam os mesmos 37% de imposto em um pacote de biscoito, 17% no quilo do arroz, 32% no açúcar, 26% em uma água sanitária. E por aí vai.

Como o rico ganha mais que o pobre, é o segundo quem compromete, proporcionalmente, grande parte do seu dinheiro para manter o Estado.

Segundo dados oficiais (IBGE e Ipea), a carga tributária sobre os pobres teria de cair 86% para se igualar à dos mais ricos.

Quem ganha até dois salários mínimos hoje compromete 49% de seu rendimento com impostos. Quanto mais pobre, mais tungado.

Portanto, é o pobre oprimido no Rio (pela conivência e desprezo desse mesmo Estado que o esfola com impostos, taxas e tributos) que deveria ter sido protegido, em primeiro lugar, de seus algozes.

Durante muitos anos, a polícia (que custa muito mais ao pobre do que ao rico) foi justamente quem ajudou a instalar a indústria do tráfico no Rio. Por não combatê-la ou por ajudá-la diretamente pela via da corrupção.

É, portanto, lamentável todo o ôba-ôba em torno da ação "heroica" das "tropas de elite" e outros superlativos a respeito do novo papel das polícias e das forças de segurança.

Eles não fazem mais do que a obrigação. São pagos (e extremamente caros aos favelados) justamente para fazer isso.

Pior. O que as ações das forças de segurança em ação no Rio revelam é que é muito mais fácil do que se supunha desmantelar a ação desses grupos de criminosos (des)organizados.

As imagens de traficantes fugindo como ratos para o morro do Alemão são emblemáticas. É só comparar as fotos nesta página.

São policiais financiados pelo dinheiro dos impostos com armamento pesado, coletes, etc., contra um bando de traficantes desdentados que (revelam termos de diálogos grampeados) parecem ter saído ontem de uma caverna neandertal.

Eles perderam muito em quatro dias. Centenas de motos e veículos, armas, munição e milhares de quilos das drogas que os financiam _além dos pontos de venda do produto.

Em menos de uma semana, a polícia e os fatos mostraram que, quando o Estado quer, não há nada que possa ser feito contra ele.

O Estado é o ente mais forte de um país normal.

A grande questão é: como ele é usado? Quais suas prioridades?

É preciso ter sempre em perspectiva: os pobres (a grande maioria) são os que mais financiam o Estado brasileiro com seus impostos.

É a eles, por justiça moral, que país deveria voltar suas prioridades.

Precisamos de uma trem-bala de R$ 33 bilhões financiado pelo Estado para a classe média viajar ao Rio ou SP?

Ou seria melhor acabar de vez com a opressão no Rio e coalhar essas comunidades com programas sociais? Ou eliminar o esgoto a céu aberto em centenas de favelas brasileiras, repletas de pagadores de impostos?

A resposta a essas perguntas é simples: quem vai pagar?

Fernando Canzian é repórter especial da Folha. Foi secretário de Redação, editor de Brasil e do Painel e correspondente em Washington e Nova York. Ganhou um Prêmio Esso em 2006 e é autor do livro "Desastre Global - Um ano na pior crise desde 1929". Escreve às segundas-feiras na Folha.com.

domingo, 28 de novembro de 2010

Teria faltado?



Não quero dar uma de engenheiro de obra pronta, principalmente pelo fato desta ação no Rio ter ocorrido de forma emergencial. Todos estão de parabéns, a polícia do Rio, as forças armadas, o governo. Está sendo, até agora, fantástico. Uma grande lição foi aprendida.
Agora a coisa toda pode e deve melhorar.
Muitos criminosos vão escapar do Complexo do Alemão. Parece não fazer diferença, considerando-se que eram 600 de um universo de 16 mil contratados pelo narcotráfico no Rio. Mas isso não deveria ter acontecido.
Mas qual teria sido a solução?
Nenhuma. Foi feito tudo que poderia ter sido feito, mas agora é necessário prever outras ações.
O auxílio das forças armadas, das forças federais, deve ser revisto. Precisa ser ampliado. As FAs tem pessoal muito bem treinado que pode participar de operações de desgaste do tráfico, ainda mais em um cerco como o que foi feito no Complexo do Alemão neste final de semana.
Unidades de Comandos e Forças Especiais teriam feito a diferença, com apoio aéreo, para tomar posições mais rápido, sem a necessidade do avanço pelo solo, como foi feito. Caso posições mais elevadas fossem tomadas e instaladas ali unidades autônomas com equipamento pesado (como Barrets) o jogo poderia ter sido outro. A Polícia já tinha um certo mapeamento da posição dos criminosos, faltou meios de isolá-los e detê-los em tais locais, para que não tivessem tempo de debandar, de esconderem as armas e drogas.
Considerando que muitos daqueles criminosos nunca foram fichados, estarão livres para voltar ao "trabalho" em breve.

Parece coisa de filme, alugação? Não. Não é. São operações militares normais, com foco em guerra de guerrilha e que podem ser tomadas quando as forças envolvidas detém informação precisa. Imagino que hoje o Exército já tenha em mãos os mapas topográficos, fotos aéreas e planos de contingência para ações assim. Unidos com o Bope, combinando pessoal com as suas unidades especiais, acredito que conseguiremos melhores resultados, com menos baixas, mais prisões e mais apreensões.
Se existiam 600 soldados do tráfico no Complexo do Alemão no final de semana, dever-se-ia encontrar 600 armas de grosso calibre, como fuzis, metralhadoras, pistolas. É muita coisa, e não deve circular livremente por aí.
Uma estratégia como essa deve ser implementada o quanto antes no morro da Mangueira, por exemplo, onde já se sabe que os narco-terroristas têm metralhadoras .50, armas de guerra feitas para atacar carros de combate e aviões.
É ou não é uma guerra?

Operação em andamento

Ainda bem. A invasão não ocorreu à noite. Por mais que o pessoal do Bope esteja acostumado a atuar à noite, eles estão nessa operação há dias, muitos sem dormir direito. Isso causa um desgaste grande no combatente.
O grande perigo não seria nem a ação propriamente dita, a incursão e o combate, mas sim as incontáveis situações de refém que poderiam - e que ainda podem ocorrer. Apesar da população estar a favor da ação das forças de segurança, civis ainda podem ser tomados à força para formar um escudo humano de defesa dos traficantes.
Segundo dados da polícia, divulgados ontem, estavam acantonados no Complexo do Alemão cerca de 600 homens do tráfico (no total, são 16 mil pessoas "contratadas" pelo tráfico no Rio), e menos de 100 teriam sido presas até agora (10h47 horário de Brasília). O grande problema agora é que muitos desses 600 homens nunca foram fichados, e isso a própria PM afirmou ontem.
Então como serão presos?
O procedimento é deter o suspeito e levar para averiguação. Nada constando contra o cidadão ele será liberado.
Esta talvez seja a única falha da operação até agora. Mas uma falha paradoxal.
Seria necessário fazer o flagrante dos homens do tráfico com as armas e munições, assim como com a droga. Mas eles tiveram tempo de esconder esse material. No entanto, um flagrante seria muito perigoso para a população.

Este é o trabalho duro das forças de segurança e por isso devem contar com todo o apoio da população, da mídia, do governo. Será muito fácil apontar falhas ao final dessa ação, independentemente de qualquer coisa. Somente a união em torno de uma nova política de segurança no Brasil, que começa agora, poderá dar continuidade ao bom trabalho que está sendo feito.

sábado, 27 de novembro de 2010

Artigo do José Padilha

Carcaça de uma sociedade


Por que o Rio de Janeiro é uma cidade tão violenta? Por que tem um número tão alto de homicídios e de assaltos todo ano? Por que grande parte da capital carioca, sobretudo as áreas mais carentes, está dominada por grupos armados? Por que a história do Rio é marcada pela repetição de acontecimentos traumáticos na área de segurança pública, acontecimentos que chamam a atenção do mundo?

Vigário Geral e Candelária explicitaram a violência absurda da polícia carioca. O sequestro do Ônibus 174 demonstrou a precariedade dessa polícia e deixou à mostra a violência de um ex-menino de rua que preferiu “tentar a sorte” a se entregar ao Estado que o torturou a vida inteira. O brutal assassinato de Tim Lopes mostrou que os traficantes cariocas não são Robin Hoods do morro, mas criminosos que utilizam métodos brutais. A tortura de jornalistas de O Dia por milicianos deu origem à CPI que revelou máfias de bombeiros, policiais civis e policiais militares no comando de comunidades carentes, com o apoio de vereadores, deputados estaduais e até deputados federais. E, finalmente, o ataque sistemático do tráfico a vários pontos da cidade, e a reação subsequente da polícia, “desentocou” um verdadeiro exército armado na Vila Cruzeiro e o expôs para todo mundo ver.

Afinal, por que o Rio de Janeiro é assim?

Uma resposta, a da esquerda naïve, postula que a violência no Rio de Janeiro decorre da miséria e da luta de classes, e diz que para combatê-la é necessário acabar com as diferenças sociais, distribuir a renda e educar a população. Há também a resposta da direita naïve, que reduz a violência do Rio a um problema de repressão e diz que ela se explica pela falta de firmeza da polícia e das leis.

As duas respostas estão erradas, contradizem fatos conhecidos.

A primeira não dá conta de cidades que têm índices de desenvolvimento humanos (IDH) piores do que os do Rio de Janeiro e índices de violência menores. A segunda está na contramão da história, que demonstra que incrementos na repressão podem piorar os índices de violência. Foi assim no governo Marcelo Alencar, quando o Estado adotou a remuneração faroeste e passou a premiar os policiais em função do número de criminosos que “abatiam”. A partir daí, o número de autos de resistência, de policiais que declararam ter matado criminosos que resistiram à prisão, cresceu e continua absurdo até hoje.

Muitas vezes, o passo mais importante para encontrar a solução de um problema é enunciá-lo corretamente. Ônibus 174, Tropa de Elite e Tropa de Elite 2 são uma tentativa de enunciar o problema da segurança pública do Rio de Janeiro a partir da premissa de que a violência carioca resulta, em grande parte, da atuação direta de instituições públicas que convertem miséria em violência. À luz dessa premissa, a violência urbana está relacionada à falta de educação e à concentração de renda, mas a relação não é direta e simples, é intermediada por fatores complexos. Acredito que no Rio o mais importante desses fatores seja o efeito perverso que certas organizações administradas pelo Estado têm sobre parte da população.

Ônibus 174 conta a história de Sandro Rosa do Nascimento, um menino que fugiu de uma tragédia familiar e foi viver nas ruas do Rio. Sandro se tornou um pequeno criminoso para sobreviver. Como menino de rua, viu representantes do Estado (policiais militares) matar crianças como ele na Candelária, foi preso e tratado com extrema violência pelo sistema socioeducativo do Estado, foi espancado e obrigado a conviver com traficantes e criminosos muito mais violentos que ele no Instituto Padre Severino e deu entrada no sistema prisional carioca, onde o Estado o colocou em uma cela superlotada e insalubre. O torturou por anos.

A tese de Ônibus 174, exemplificada pela trajetória de Sandro, é muita clara: as organizações que deveriam reeducar os pequenos criminosos os convertem em criminosos violentos. Não fui eu quem formulou essa tese, diga-se de passagem. Foi o próprio Sandro, que a gritou em altos brados da janela do ônibus para quem quisesse ouvir.

Em Tropa de Elite tentei dizer que a mesma coisa acontece no âmbito da polícia. O Estado trata muito mal os indivíduos que se propõem a trabalhar nas organizações policiais. Paga pouco, treina mal, e os submete a uma cultura organizacional militarizada e kafkiana, que tolera a corrupção e estimula a violência. Como disse o capitão Nascimento: “Quem quer ser polícia no Rio de Janeiro tem que escolher: ou se omite, ou se corrompe, ou vai pra guerra”. Tanto a violência e o desrespeito aos direitos humanos do capitão Nascimento quanto a corrupção desenfreada do capitão Fábio são forjadas no mesmo lugar, pela mesma organização. Certa feita um governador do Rio de Janeiro disse a mim e ao jornalista Rodrigo Pimentel que Tropa de Elite era um filme demasiado pessimista. Em sua opinião, a PM do Rio não era tão corrupta quanto pensávamos. Pelas suas contas, um terço dos policiais do Rio é corrupto, outro terço é honesto, e o restante variava conforme o comando. Se a PM do Rio tem mais de 13 mil homens corruptos, então o problema não são seus homens, é a organização. Os policiais do Rio de Janeiro são vítimas da PM.

A tese de Tropa de Elite, instanciada na trajetória do aspirante André Mathias, é igualmente óbvia: as instituições que deveriam combater a criminalidade convertem boa parte das pessoas que trabalham nelas em policiais corruptos e violentos. Fazem isso com grande eficiência e em altas taxas.

Acredito que cada um dos casos simbólicos que listei, de Vigário Geral à tomada da Vila Cruzeiro, ilustra essa tese. Cada um deles envolve traficantes, policiais corruptos e policiais violentos cuja subjetividade e comportamento criminoso foram moldados por instituições do Estado.

Fiz um terceiro filme, Tropa de Elite 2, para tentar dizer por que o Estado funciona assim. Em Tropa de Elite 2 o capitão Nascimento é promovido a subsecretário de inteligência e obrigado a lidar com as conexões que existem entre a polícia e a política. São essas conexões, muitas vezes calcadas em interesses e lógicas eleitorais, que criam e mantêm as instituições que descrevi nos filmes anteriores.

Voltando ao mundo real, deixo claro que apoio as UPPs e sou favorável a esse projeto do governador Sérgio Cabral. Reconheço que ele é fundamental para recuperar o território que o tráfico tomou. Acredito que o Rio não pode recuar no primeiro confronto. Todavia, acho que o projeto das UPPs é apenas meio projeto, e não um projeto inteiro. Onde está a reforma da polícia? Não a maquiagem, mas a reforma concreta, o programa eficiente de seleção e treinamento de policiais, o programa de capacitação profissional, o pagamento de salários dignos, o seguro saúde e o auxílio-educação para as famílias dos policiais? Onde está a corregedoria que funciona? Onde está a reforma do sistema prisional? A capacitação dos agentes penitenciários? A reforma do sistema socioeducativo? A boa formação dos seus operadores?

O projeto das UPPs é fundamental para a sobrevivência do paciente, mas ignora as causas da doença. Na ausência de uma real reforma das instituições que mencionei, o esforço e o engajamento da população carioca no projeto das UPPs pode ser em vão. Afinal, quem vai ocupar as comunidades libertadas? A mesma polícia que conviveu com o tráfico de drogas na cidade por mais de 30 anos, o viu crescer e se expandir e o deixou se instalar. O projeto das UPPs não é um projeto da polícia, é um projeto do governo. O que garante, no médio ou no longo prazo, quando este governo sair e outro entrar no lugar, que as UPPs não se tornarão áreas de milícia?

Eu me lembro, na ocasião do Ônibus 174, que o então presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, foi à TV prometer um plano nacional capaz de reformar as instituições ligadas à segurança pública em todo o Brasil. Teve dois mandatos para cumprir a promessa, e não o fez. Depois veio o atual presidente Lula, do PT. Apresentou um Plano Nacional de Segurança bem bolado, escrito pelo professor Luiz Eduardo Soares. Estamos ao final do seu segundo mandato e o plano continua engavetado. Finalmente, não vamos esquecer o PMDB, do governador Sérgio Cabral, que em ambos governos nada propôs de significativo na área da segurança. A verdade é que nos últimos 30 anos nossos políticos ficaram vendo inocentes morrer. Lavaram as mãos.

O que aconteceu no Rio de Janeiro nessa semana foi significativo. Creio que vai acontecer de novo se o governador insistir com as UPPs. E, como a Copa do Mundo e a Olimpíada estão aí, não há outra alternativa viável. Os confrontos serão inevitáveis e recorrentes. Espero que esses confrontos sirvam para, além de libertar comunidades carentes, forçar o governo federal a entrar de cabeça na luta contra o crime e implementar um plano de nacional de segurança sério, capaz de resolver de uma vez por todas o problema da segurança pública no Brasil.

JOSÉ PADILHA É CINEASTA E DIRETOR DE 'ÔNIBUS 174', 'TROPA DE ELITE', 'TROPA DE ELITE 2', 'GARAPA' E 'SEGREDOS DA TRIBO'


Momento Histórico por causa de um filme?

Sim. Exatamente isso. Caso não fosse a exibição do filme Tropa de Elite 2, nada do que estamos vendo no Rio de Janeiro estaria acontecendo.
O filme não foi culpado pelos ataques dos traficantes. Muito pelo contrário.
Tropa de Elite 2 é responsável hoje pela postura dos policiais e dos soldados envolvidos nessa mega operação.
Eles hoje estão com orgulho de sua missão, de seu trabalho. Hoje eles não querem manchar o distintivo, não querem deixar nódoas para trás. Querem honrar a profissão, que muitos colegas trataram de manchar ao longo de décadas.
Quando a revista Veja mostrou o comandante Nascimento (Wagner Moura) em sua capa, chamando-o de herói, estava documentando uma virada histórica que comentei aqui no meu blog. Não víamos heróis em nossa ficção há mais de um século, e heróis são fundamentais para qualquer cultura. Heróis são modelos, são exemplos. Nossos policiais não tinham exemplo.
Agora eles têm.
Na década de 90 um general britânico disse que o filme Top Gun vencera para os EUA todas as guerras que ocorreram desde os anos 80. Vencera porque conseguiu projetar uma imagem de invencibilidade que não existia, por exemplo, no Vietnã. Os vietcongs não "sabiam" que os ianques eram "invencíveis", por isso os venceu.
A grande máquina de guerra dos EUA é cheia de falhas, mas seus inimigos modernos, mais atuais, nunca as exploraram, devido à propaganda da ficção ianque.

Não considero Tropa de Elite 2 uma propaganda. Nada disso. O filme é um resgate do orgulho de ser brasileiro. Por isso acho que a partir de hoje ninguém mais deveria dizer "isso só acontece no Brasil", "tinha que ser no Brasil", "tinha que ser brasileiro"...
Acho isso porque estamos vendo claramente o que um filme fez pelo Brasil.

Boa sorte aos rapazes das forças de segurança. Sorte e bom senso.

Guerra na noite

Corrijam-me se estiver errado, mas já usei óculos de visão noturna e não é muito fácil de se adaptar. Ele tira um pouco da espacialidade. Mesmo os usados por pilotos de helicóptero Apache sentem esse problema. Espero que a invasão, se for efetuada hoje à noite mesmo, seja realizada por pessoal bem experiente nesse tipo de combate.
A superioridade numérica existe, mas são 600 soldados do tráfico lá dentro que devem ter guardado algumas surpresas para as forças de segurança.
No entanto, não há mais como voltar atrás. O momento é histórico mesmo e é preciso aproveitar esse espírito de justiça. Quem se render será preso, ponto final. Mas, como diz o porta-voz da PM, deve entregar suas armas.
Quem decidir ficar lá em cima é porque está apostando que o Estado vai recuar. E mais, deve estar apostando em usar o escudo humano que o Complexo do Alemão oferece.
Por isso acho que qualquer vacilo será muito problemático para as forças de segurança.
Se conseguirem, nesta noite, avançar algumas centenas de metros e não deixarem ninguém fugir, já será uma grande vitória. Considero mesmo muito melhor que toquem o terror sobre os criminosos, que não deixem ninguém dormir. Que façam investidas isoladas de incursão e recuo, fustigando a resistência dos criminosos.
É melhor deixar para amanhã pela manhã fazerem uma investida realmente forte e decisiva.


Confira meus livros "Souvenir Iraquiano" e "Fronteira"

Rendição?

A coisa está ficando meio estranha. Os traficantes estão esperando o que para se render? Será que estão esperando o anoitecer para fugir, executar uma nova ofensiva? A verdade é que os tiroteios continuam e o combate não tem indício real de que vai chegar ao final.
As forças do Estado devem manter o cerco, equipar o pessoal com óculos de visão noturna, contar com sinalizadores, helicópteros com holofotes e ficar na torcida. À noite qualquer combate se torna imprevisível, ainda mais pelo fato de que os traficantes conhecem o terreno.
Será que o pessoal das forças do Estado estão contando com imagens aéreas em tempo real? Isso seria fundamental para evitar que essa situação entre na noite e se torne incontrolável.

Próximos passos

Sim, como disse o deputado estadual Marcelo Freixo é preciso evitar um banho de sangue. As polícias e as forças armadas devem ficar com a cabeça no lugar. Os líderes do tráfico devem estar maquinando meios de usar isso de forma positiva, e isso somente acontecerá se alguém atrapalhar a negociação e rolar mesmo o tal banho de sangue. Assim o Estado se complica de vez.
Esperamos que isso não aconteça.
Mas o que vem depois?
Prisão, transferência de presos, assim como transferência de POLICIAIS.
O pessoal da banda podre tem que ir para outras cidades, outros estados. Os esquemas da polícia deve ser desarticulado, e isso deve ser cíclico.
As forças armadas e a polícia federal devem intensificar o controle da entrada de drogas, armas e munição. O crime organizado deve ser sufocado, enfraquecido, para que os verdadeiros líderes comecem a sofrer onde mais dói: em suas contas bancárias.
A Abin deve ser convocada para atuar no trabalho de inteligência, que deve integrar quatro esferas: PM, FAs, PF e Abin, para que um controle o outro - evitar esquemas e corrupção é fundamental.

O resultado disso deve ser as prisões dos capi di capi, os capos dos capos, os chefes dos chefes. Vai ter queima de arquivo, vai morrer muito mais gente que nos últimos dias, mas o Brasil precisa de uma operação no estilo "Mãos Limpas". E a hora é essa.

Cabeça no lugar

Agora é hora de ficar com a cabeça no lugar. Não existe esse papo de "não fazer prisioneiros". Até em guerra existe o respeito pelo prisioneiro.
A polícia precisa ficar tranquila e, com o apoio das forças armadas, realizar a prisão e o desmantelamento da estrutura do crime organizado. Isso é a ponta do iceberg. É hora também de manter todos os grampos possíveis e imagináveis em andamento.
Esse momento pode ser histórico para a sociedade carioca e brasileira, mas pode ser um fiasco caso alguém faça uma bobagem. Afinal de contas, imaginem a quantidade de dedos no gatilho que existem no Complexo do Alemão nesse exato momento...

Veja neste blog mais comentários sobre a situação, que caminhos o Estado deve tomar e a influência de Tropa de Elite 2 na situação atual

Podemos acreditar que temos heróis?

Tropa de Elite mudou a forma do Rio e do Brasil ver isso tudo http://migre.me/2wBZj

Realmente. Como citei no post cujo link está aqui em cima, Tropa de Elite 2, principalmente, mudou a forma do Rio e do Brasil verem essa situação que está acontecendo em terras cariocas.
Estamos mais abertos a perceber que existem homens honestos combatendo o crime. Existem inúmeros comandantes Nascimento ocultados pela má fama da banda podre.
Podemos aceitar, hoje, que cada homem, policial, fuzileiro, paraquedista, soldado, que está enfrentando os criminosos armados até os dentes, avançando em regiões onde os tiroteios estão rolando solto, cada um deles tem um incrível potencial para ser considerado herói - basta que terminem essa ação sem manchar suas reputações.

Precisamos dessa confiança para que eles próprios se sintam estimulados e valorizados e consigam com isso fazer algo que preste para tirar o Brasil das mãos de criminosos.
Temos que começar no Rio e depois ir para São Paulo retirar o Estado das mãos do PCC.


Legalização já? Como?

O músico Marcelo D2 comentou que já havia cantado a pedra sobre a guerra civil que estava prestes a explodir no Rio de Janeiro. Bem, ele e mais quantos?

A situação já era esperada e é, como o José Padilha, diretor de Tropa de Elite 1 e 2 disse, é resultado de uma ausência de uma política de segurança pública.

Agora, no meio do fogo cruzado, alguns dizem que a saída é a liberação das drogas. Mas será mesmo?

Autoridades de segurança em vários pontos do planeta concordam com isso. Sai mais caro tentar reprimir o tráfico do que liberar e tentar fazer uma política de redução de danos. Isso porque, legalizada, a droga vai render impostos. Será?

Temos nesse ponto dois problemas. Assim como existe DVD pirata, cd pirata, remédio pirata e cigarro pirata, vai haver droga pirata no mercado. O estado vai gastar para conter mais esse negócio sujo.

O outro problema é que parte do crime organizado, ao ver caírem os lucros das drogas, partirá para outra atividade criminosa, que vai requerer, também, o combate por parte do estado.

Daí teremos 3 problemas:

- as drogas piratas, que não recolhem imposto;

- o combate a outras modalidades de crime, como seqüestros e assaltos a bancos;

- o aumento do consumo de drogas, gerando “crackolândias” em praticamente todas as cidades do país.

Daí eu pergunto: vale a pena liberar a droga?

Vale do ponto de vista do consumidor, que vai tirar um peso da consciência. De resto, só tende a piorar, com o aumento da oferta, a facilidade de compra e o aumento do consumo. Piora também porque reforça duas outras modalidades de crimes.

No entanto, a liberação das drogas contempla o aspecto da liberdade das pessoas, e isso é positivo.

Mas se a pergunta é liberar já, a resposta só pode ser não. É preciso enfraquecer o crime, debelar as quadrilhas de traficantes, prender os grandes barões da droga no Brasil, mudar conceitos, aumentar o IDH. Só isso...

veja neste blog mais artigos sobre a crise no Rio textosecreto.blogspot.com

Salário e treinamento

Bom ver na Folha que o governo do Rio de Janeiro quer aumentar em 70% o salário dos policiais. Isso é muito bom. Mas não podemos esquecer que apenas salário não basta. Ninguém deveria optar pela carreira de policial por causa do salário, e sabemos que tem gente querendo vestir uma farda para não morrer de fome.
O treinamento de um PM dura menos de um ano, na maioria dos Estados. De um policial civil, menos ainda. O treinamento de um oficial da PM é de 4 anos, se não me falha a memória. Mais ou menos como acontece nas forças armadas. (tenho que verificar se é assim em todos os Estados)
Mas tem uma diferença. Na polícia os cabos e soldados saem por aí sozinhos, em ações isoladas e lidam com uma realidade de combate e de situações inusitadas constantemente. Não é como nas forças armadas, quando em uma guerra os militares agem praticamente como ferramentas em conjunto.
Ou seja, o treinamento do PM deve ser maior do que é, mais complexo, e deve durar mais.
Como vimos em Tropa de Elite, no primeiro filme, o treinamento do Bope é duro. Um policial morreu este ano. Na Academia Militar das Agulhas Negras, onde são formados oficiais do Exército, era muito comum morrer gente lá. Ossos do ofício, quando vc está lidando com granadas, munição, carros de combate, etc.
Com um treinamento mais duro, mais condicionador, fica apenas quem tem vocação mesmo, quem quer ser policial na MARRA. Forma-se uma ideologia positiva.
Apesar das críticas que ouvi nos últimos dias devido a meus posts, não tenho receio de dizer que o ideal desse treinamento deveria ser formar policiais que se considerassem realmente acima da população civil. Que pensassem e agissem dessa forma:

- sou mais corajoso que os civis;
- sou mais responsável que os civis;
- sou mais honesto que os civis;
- tenho a obrigação de defender os civis indefesos.

Quando o policial não pensa assim, o que acontece? O que acontece com o policial que não se considera mais honesto que os civis, e que realmente age assim?

É óbvio que a situação é limítrofe e relativa. O policial pode ser corrupto, mas se considerar mais honesto que os civis, que ele julga serem todos corruptos, que pagam propina a guardas, pagam propinas a fiscais, que pedem para superfaturar nota de almoço para entregar na empresa, etc.

Desta forma, o treinamento, para ficar mais claro, deve gerar pensamentos como:

- tenho a obrigação de ser mais corajoso que os civis;
- tenho a obrigação de ser mais responsável que os civis;
- tenho a obrigação de ser mais honesto que os civis;
- tenho a obrigação de defender os civis indefesos.

Além disso, tem toda a qualificação técnica, que não acaba nunca, mas que parte dela deveria ser básica e não é. Por isso tantos policiais correm atrás de realizar cursos do CATI e outros, pagando geralmente do próprio bolso.

VEJA NESTE BLOG OUTROS ARTIGOS SOBRE A SITUAÇÃO NO RIO

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Explicando melhor

O blog oficial da Liga Humanista Secular do Brasil (LiHS) postou durante algumas horas hoje um de meus artigos aqui do blog texto_secreto. Deu uma baita confusão. Muita gente parece não ter entendido o meu estilo seco de escrever. O post em questão foi "A Grande Discussão" e um trecho em especial causou furor entre os frequentadores daquele blog:

"Os eventos recentes no Rio de Janeiro vão, provavelmente, levantar muita discussão. Um dos motivos é óbvio: a questão dos direitos humanos. Depois que o ímpeto dos soldados do tráfico diminuir, quando eles perceberem que perderam a "parada”, vão levantar as mãos, jogar as armas no chão e posarão de vítimas. Os policiais, ainda sob o forte efeito do estresse do combate, vão descer a lenha. Ativistas dos direitos humanos vão lascar a ripa em cima dos policiais e perderemos a chance de dar um forte baque no crime organizado."

Teve gente que achou que eu estava defendendo o extermínio de traficantes no Rio de Janeiro. Não é verdade. O texto é direto, narrando eventos que "deverão" acontecer, independentemente da vontade de qualquer um.

Mas acho que cabe uma explicação sobre o trecho "perderemos a chance de dar um forte baque no crime organizado"

Não estou dizendo que o baque será o extermínio, mais uma vez. O que disse é que a partir do momento em que ativistas, imprensa e sei lá mais quem cair de pau em cima das forças do Estado por causa dessas mortes a ação perderá força, será desvirtuada, como já aconteceu outras vezes. Por isso citei que "Ativistas dos direitos humanos vão lascar a ripa em cima dos policiais". Ou alguém imaginou que eu disse que os ativistas exterminariam os policiais?

Opinião todo mundo tem, mas acho que é uma questão de lógica julgar que essa ação, nesse momento, precisa ser executada com a força necessária para sustar o poderio dos traficantes, e seguir adiante com a intensidade suficiente para desestimular de uma vez por todas a adesão ao tráfico. E ainda mais, como disse em outro post: sufocar o crime organizado para que ele, na tentativa de conseguir "mais ar", acabe colocando a cabeça para fora.

Isso seria exatamente o ato dos "mandantes" verdadeiros acabarem se expondo, porque está claro, há muito tempo, que os chefões do crime organizado no Brasil não estão nos morros cariocas. Até mesmo porque o crime organizado no Brasil não se resume ao tráfico de drogas no Rio.

Mas a verdade é que seja no Brasil, na França ou nos Estados Unidos, os grandes chefões do crime organizado estão muito bem blindados. Não é fácil levantar provas e muito menos condenar. Mas uma coisa é verdade: quando são presos, geralmente não recebem a polícia à bala. Vide o caso da prisão do Daniel Dantas, não é verdade?

Espero que as coisas fiquem mais claras assim.

Hipocrisia

Vejo muita gente comentando hoje que é possível resolver a situação atual do Rio de Janeiro com UPP, projetos de cidadania e muita conversa tranquila com traficantes armados com lança-foguetes. Essas pessoas estão um pouco enganadas. O momento é outro. O momento é de reafirmar o controle do Estado. Ou melhor, do Estado finalmente tomar o controle da situação.
O momento de ações de cidadania já passou, mas vai voltar. É uma interrupção.
Mas tem uma coisa: quando voltar não é para ensinar macramê para garoto pobre. Não é para botar na cabeça de todo menino e menina pobre que é legal pacas saber jogar capoeira e tocar timbal. É, porque tem muito trabalho de cidadania que acha que pobre é retardado e tem que viver de brisa e ter consciência social.
Quem precisa aprender a tocar timbal, jogar capoeira e ter consciência social é filho de rico, é o cara que vai herdar a empresa com 5 mil funcionários, para não querer pagar salário de fome.
Sim, porque não é apenas o consumidor de drogas, o aviãozinho e a polícia que sustentam o crime organizado. O capital opressor contribui muito com seus salários de fome. Como ouvi dia desses:
"Salário mínimo no Brasil é pouco para quem ganha, mas muito para quem paga"
Uma bestialidade.

Então o que estou querendo dizer aqui é que tem o momento certo para tudo. E o momento agora é de impedir que a bandidagem faça o que quiser com a cidade. Se algum ativista de direitos humanos vai fazer isso com uma flor na mão, uma salva de palmas para ele.
O problema é que enquanto esse cara não aparece o tiro vai continuar rolando solto!

Matar ou prender?

É óbvio que o objetivo é prender, mas é impossível que as forças do Estado fiquem de braços cruzados enquanto os criminosos descarregam toneladas de munição para todos os lados. Nesse momento é usada a força considerada necessária para neutralizar a violência. Pessoas morrem em ações assim? Com certeza. Afinal de contas, eles não querem ceder.
Ocorre também, como citei antes, os casos nos quais policiais, após um tremendo estresse, acabam descarregando a fúria em marginais que já largaram as armas. Há solução para isso? Infelizmente, não. Somos humanos e o calor do combate é um lugar bem diferente dos plenários onde CPIs vão criticar a ação de policiais que cederam à tensão.
Se sou a favor de sair matando? NÃO SOU. Mas é preciso deixar de lado a hipocrisia de quem diz que "sempre há um jeito de fazer a ação sem violência". Essas pessoas geralmente só chegam depois, nos plenários e entrevistas. Elas não andam no meio da rua como alvos fáceis em meio ao tiroteio. As fotos das ações das polícias Civil, Militar e Federal mostram homens de grande coragem. Um fuzil na mão não apara bala que vem em sua direção.

Em resumo: não se faz omelete sem quebrar ovos e a situação deve piorar muito antes de melhorar. E se melhorar rápido, se na semana que vem tudo estiver bem, aí sim que a coisa ficou preta, pois vai continuar o problema de sempre.

VEJA NESTE BLOG OUTROS POSTS SOBRE A SITUAÇÃO DO RIO, O TROPA DE ELITE 2 E MEUS LIVROS

A grande discussão

Os eventos recentes no Rio de Janeiro vão, provavelmente, levantar muita discussão. Um dos motivos é óbvio: a questão dos direitos humanos. Depois que o ímpeto dos soldados do tráfico diminuir, quando eles perceberem que perderam a "parada”, vão levantar as mãos, jogar as armas no chão e posarão de vítimas. Os policiais, ainda sob o forte efeito do estresse do combate, vão descer a lenha. Ativistas dos direitos humanos vão lascar a ripa em cima dos policiais e perderemos a chance de dar um forte baque no crime organizado.

É bom imaginar que o estresse de combate é algo inevitável. Não há treinamento que impeça um combatente de sentir medo de morrer, que não deixe uma pessoa furiosa com outra que está disparando um pente de 40 balas em sua direção. Depois de passar minutos, horas, dias sem saber o que vai acontecer no próximo minuto, qualquer combatente fica muito p... da vida com os caras que estão do outro lado.

Foi preciso que duas obras de ficção conseguissem emocionar o país para que hoje comece a se tornar senso comum que o consumidor de drogas é o responsável por colocar um AR 15 na mão de bandido. O bom senso e a lógica nunca funcionaram tão bem quanto a exibição de dois filmes policiais. A verdade é que o ser humano assimila melhor informações quando está emocionado. Os gregos sabiam disso desde a Antiguidade e os professores de cursinhos também.

Uma outra lição precisa ser dada agora: o crime organizado não é nada sem soldados. Os “capos” precisam da bucha de canhão nos favelas, e os soldados – que são as tais buchas de canhão –somente vão desistir de suas funções quando perceberem que o risco não vale a pena.

E como se faz isso?

De duas formas: enviando ativistas de Direitos Humanos hoje para o front no Rio de janeiro para convencer os caras na conversa;

Ou usando nossos forças policiais e militares para mostrar que as nossas cidades não são casa da mãe Joana.

Os soldados do crime organizado precisam ficar apavorados, precisam ter certeza de que não vão voltar para casa, precisam saber que vale realmente a pena desistir de seus planos de grandeza à custa do terror da sociedade. Por um bom motivo: continuarem, vivos.

Precisamos dessa etapa no combate ao crime. Não vamos chegar aos “generais” do crime organizado enquanto houver soldados no meio do caminho. Simplesmente não existirá essa mágica. E por que não?

Pela mesma lógica que diz que o usuário de drogas coloca o RPG7 na mão de bandido. Enquanto houver condições de ser soldado do tráfico, ganhando cinco mil por semana, o cara vai ser.

Isso é crueldade? É sim.

Mas não tem outro jeito. Enquanto houver um ativista achando que entende mais de estresse de combate do que um homem do Bope, vamos ter uma discordância acerca do que é certo e o que é errado, simplesmente porque vai ter gente falando bobagens acerca do que não entende. E isso se chama hipocrisia. O tipo de coisa que duas obras de ficção estão fazendo o País entender, mais do que qualquer discurso racional.


VEJA NESTE BLOG OUTROS POSTS SOBRE A SITUAÇÃO DO RIO, O TROPA DE ELITE 2 E MEUS LIVROS