quinta-feira, 31 de março de 2011

Eu sou gordo, mas não sou o cara mais gordo do mundo

Se eu não sou o cara mais gordo do mundo, por que eu me senti tão desconfortável em uma poltrona de avião hoje, de uma certa companhia aérea?

Quando uma companhia aérea projeta poltronas tão estreitas está externalizando um raciocínio no qual diz, claramente, que os gordos que se danem. Eles não deveriam ser gordos, de qualquer forma.
Quando as revistas, jornais, emissoras de TV e o cinema veiculam imagens de pessoas magérrimas, saradas, etc, e estão deixando claro que essas pessoas são referência, que todo mundo deveria se preocupar em ficar como elas, elas estão dizendo que GORDO é RUIM.

Temos no Brasil um contingente crescente de gordos. Não sei ao certo, mas já somos mais de 50% da população.

Se você, gordo, saiu de uma sala e entra alguém perguntando por você, fatalmente vai dizer: VIU AQUELE GORDINHO?

Por isso, certa vez, raspei o cabelo, para que dissessem: "VIU AQUELE CARECA?"
Não deu certo. passaram a dizer: VIRAM AQUELE CARECA GORDINHO?

Faço coro com negros e homossexuais que criticam o preconceito. Eu sinto isso todos os dias, todas as horas, e não apenas quando alguém manifesta um pensamento. Quem é gordo está entendendo exatamente do que estou falando.

Mas eu queria saber uma coisa sobre a lei anti-homofobia, que estão suscitando após o case do Bolsonaro. Como ela vai FUNCIONAR?

A pessoa é demitida, é multada, é criticada sobre sua inteligência, acusada de incompetência, e vai poder alegar que na verdade o preconceito era contra sua HOMOSSEXUALIDADE?
E se a pessoa não for homossexual, vai poder usar a lei ao seu favor? A pessoa vai ter que provar sua homossexualidade?
Vai ter carteirinha de homossexual?
E se a pessoa sofre com o preconceito e não quer abrir à sociedade que não é homossexual, talvez por ter um casamento heterossexual de fachada, etc? Como fica?

Eu pergunto tudo isso porque realmente acho que os gordos deveriam se defender com uma lei da mesma forma.

Ou devemos emagrecer?