terça-feira, 13 de setembro de 2011

Ainda estou querendo entender

Dando uma volta pela minha cidade eu procurei lojas que vendessem verduras, legumes e outros produtos do campo de origem natural, biodinâmica, sem agrotóxicos e etc. E vejam só que estranho: encontrei poucas lojas do gênero e os produtos são caros. Mas são realmente poucas as lojas e não são nem um pouco populares. A própria aparência das lojas espanta os consumidores mais simples.
Dá para ter realmente a impressão de que são lojas elitizadas e que não existe um grande mercado para esse tipo de produto.

No entanto, segundo pesquisa da DataFolha, 85% dos brasileiros prefere um Código Florestal que priorize a preservação do meio ambiente, mesmo que isso afete a produção agrícola.

Ora, fico sem entender, ainda, não o resultado da pesquisa, mas o QUE as pessoas queriam dizer ao respondê-la.
Se 85% da população pensasse MESMO assim, haveria um grande mercado brasileiro para produtos naturais, orgânicos, etc. Mas não existe.
Supermercados já teriam deixado de comprar produtos que não fossem orgânicos.
Mas não é isso que acontece.
Vemos, na verdade, as pessoas comprando os alfaces plantados tradicionalmente porque eles custam menos de R$ 1,00, enquanto o orgânico, hidropônico e biodinâmico custam mais de R$ 2,00.

Mas por que essas pessoas, que preferem um Código preservacionista não compram os produtos orgânicos?
Isso não é incoerente?
Ou as pessoas não estão ligando "os pontos"?

Ou as pessoas pensam que agricultor tem que trabalhar de graça?
Nessa lógica, eu também quero comprar carro da Volkswagen zero KM por R$ 5 mil, jaquetas da Fórum por R$ 150,00 e tênis Adidas por R$ 30,00.

Se 85% da população brasileira critica a agroindústria poderia tomar uma postura não de boicote, mas uma postura POSITIVA para valorizar os produtores orgânicos, biodinâmicos e etc. Seria coerente, seria estimular a proteção ao meio ambiente, etc.

Mas quem quer pagar esse preço?