quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Como lançar novos autores?

Peguei essa discussão como quem pega um bonde andando e já fui, como é de meu feitio, lascando opiniões. Isso aconteceu no Twitter, onde as conversas se fragmentam em arroubos de 140 caracteres e reticências e links. Melhor trazer para cá, onde fica mais fácil explicar ideias.
Pois bem, de forma esquemática, o que é melhor para lançar um autor novato, que é desconhecido, que nunca publicou? Preço barato de seu livro?
Preço baixo seria possível com uma cooperativa fundada à base de Lei Rouanet e uma cobrança de um fee mensal dos associados, um valor baixo que pudesse manter um consórcio de publicações. Cada mês seria lançado um título com uns 500 exemplares. Os custos manteriam a impressora (offset plana), fotolito, o gráfico e os custos de acabamento. Como todo consórcio, a ordem de publicação poderia ser por sorteio (não por lance).
Os associados deveriam manter o pagamento fiel das mensalidades, apesar de seu livro já ter sido publicado.
Mas como disse muito bem o @ALuizCosta, o que vende livro não é preço baixo, mas indicação.
Bem, a existência de uma cooperativa com um consórcio como esse já rende notícia, mas é apenas uma vez, uma inserção, capaz de vender um ou dois títulos. E quando a cooperativa cair no esquecimento?
Livro é vendido com indicação de formadores de opinião (Jô Soares, por exemplo) na grande mídia, na comunicação de massa passiva, que não exige esforço do público para chegar até a informação.
Esse, para mim, é o problema. Meu romance "Souvenir Iraquiano" teve diversas notas e resenhas positivas e não decolou. Meu terceiro romance, "Fronteira", está começando na estrada, mas não tenho falsas esperanças. Sem um marketing que leve ao formador de opinião, morre na praia.
Esse marketing viria de onde? Agentes literários, certo? Mas no Brasil não tem um único que resolva apostar, que crie um autor, que faça um trabalho de editor mesmo, que dê palpites, que queira pegar o cara pequeno até mesmo para ganhar mais com isso.
Uma agente literária pediu uma sinopse de meu próximo livro. Eu mandei e ela disse: "não temos interesse no momento".
Mais nada. Poxa, eu sou um escritor profissional, isso não é resposta, não direciona nem para um lado nem para o outro. Com essa resposta eu posso bater a cabeça até o fim da vida sem chegar onde o mercado quer que o escritor chegue... Pedi uma resposta mais clara e até hoje estou esperando.
Acho que nem ela sabia.

Posto aqui (http://migre.me/2EHLF) o meu pedido de resposta mais clara, sem citar o nome da agente, para vcs terem uma ideia.... Está aberta a discussão.