quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Crianças e Gramática

Imagine o que se passa dentro da cabeça de uma criança no ensino fundamental quando começa a ouvir coisas como adjetivo, pronome pessoal reto, pronome pessoal oblíquo e etc. Será que isso é fácil de entender?
Em primeiro lugar, as palavras não fazem sentido. Não são de uso comum, não são resultado de "montagens" simples.
Em segundo lugar, a intenção é ensinar como usar a língua ANTES que a criança tenha a usado, e isso pode acontecer normalmente, sem colocar a carroça na frente dos bois.
Já dei aula para crianças de quinta à oitava e costumava trabalhar muito as ideias antes de fazer redações. Passava aula conversando e provocando cada um a falar, organizar suas ideias, seus conceitos, antes de colocarem no papel.
Como jornalista, sempre vi repórteres tendo dificuldade de escrever matérias quando apuravam mal, pegavam menos informação que o necessário. Fui para as salas de aula, lidar com as crianças, com essa experiência em mente.
O resultado foi muito legal e, conversando com outros professores, era comum que concordassem com a ideia de que a gurizada até a sétima ou oitava séries deveriam ler e escrever bastante. Deveriam ganhar uma ótima proficiência textual. No ensino médio (que deveria ter 4 anos) eles aprendem gramática, já com uma noção clara de tudo que está acontecendo.

Talvez por isso estejamos sempre tão mal no Exame de Pisa em Português e em Matemática.
Quem lê mal entende matemática mal....